04/12/2008

Sem lenço e sem documento


Caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento…
Imagina, você ficar em plena madrugada no meio da rua, sem dinheiro, sem telefone, sem documentos e sem carro…
Imagina você ceder por livre e espontânea pressão tudo que você tem na bolsa: celulares, cartões, talão de cheque, o dinheiro de pagar algumas contas e até a própria bolsa…
Imagina, você se lembrar que mora sozinha e que até a chave de casa você cedeu gentilmente para rapazes quase educados, embora com fuzis e granadas na mão.
Foi isso que aconteceu, estávamos voltando pra casa no carro de um amigo e fomos abordados por jovens que estavam em um Honda Civic preto, sem IPVA pago provavelmente e que com uma única frase nos fizeram ficar literalmente lisos… Perdeu!!! Perdeu!!!
Confesso que perdi!
É perdi mesmo, ao não poder andar de carro em uma rua em que passeava quando criança ( Estrada Velha da Pavuna). Perdi ao ouvir de pessoas: pôxa mas aquele lugar é sinistro! Perdi ao ouvir: Você hoje não vem trabalhar, só porque foi assaltada? Perdi ao ver pessoas nos julgando por após um dia de trabalho ter saído com amigos para comemorar o dia nacional do samba no subúrbio! Perdi ao me chamarem de maluca e me condenarem a ficar enjaulada nos dias úteis! Perdi ao ser recriminada por ter amigos e irmãos que moram e vivem em situação de risco… É rapaz… perdi mesmo!!! Perdi ao me sentir impotente ao ser assaltada e tão impotente quanto, ao ser julgada…
Perdi ao perceber que nós é que viramos culpados quando somos assaltados…
O susto foi grande, as perdas materiais foram ridículas perante a perda moral. O ganho foi imensurável… A minha vida e dos meus amigos intacta, poder acreditar que ainda existe solidariedade…
Não poderia deixar de citar o homem que com sua kombi nos viu sendo assaltados e retornou somente para nos dar carona até em casa. O meu ex marido que foi acordado as 3:30 da manhã e me tratou gentilmente, ele mesmo se intitula” o melhor ex marido do mundo”. O amigo Tiago D’Avila que também me atendeu otimamente após as 3h da madrugada de quarta!! Viu como nem tudo é trágico… Temos muito a agradecer!
Hoje agradeço a Deus por ter saído bem e sem um arranhão dessa história, agradeço por poder dizer: só levaram meu lenço e meu documento… mas me deixaram o essencial!
A vida realmente foi feita para ser vivida… E como eu penso nisso hoje!!
Kawo Kabesilye!
Ogum iê!

Comentários:

Postar um comentário

 
© 2011 | Template por Silvia