21/03/2010

Alô Alô Teresinha!

Como domingo é um dia nostalgico por natureza, resolvi assistir o documentário do Chacrinha.

O documentário é muito bem produzido e nos deixa com aquela sensação de como a vida passa e tudo se vai de forma tão rápida que quando olhamos nossas fotos antigas já não temos tanta certeza de como serão as coisas na semana que vem!

Fiquei me recordando do meu pai rindo dos calouros quando eu era criança, recordei tão vagamente de tantas coisas e percebi que eu bem criança quando tudo isso aconteceu!

A imagem das chacretes ficou muito forte em mim, como elas eram há 25 anos atrás e o que são hoje. O glamour, o corpo, a dança e o hoje.

Uma mora na ladeira dos Tabajaras e tem lá a sua foto com o Chacrinha em um lugar especial, a outra é cozinheira do bar do vovô em Lumiar, a outra confessa que se envolveu com drogas que foi mulher de bandido, uma outra vive dando banho em poodles e a Rita Cadillac continua na mídia.

A suadade é sentida em cada depoimento, a frustração por tudo que foram um dia, os sonhos... ah os sonhos ainda continuam para muitas delas!

Fiquei pensativa, pq domingo é um dia em que me sinto sufocada pelas lembranças, pela solidão, pela preguiça e lembro de como nunca imaginei há dez anos atrás como seria minha vida hoje e fico com um pouco de ansiedade e medo dos próximos dez anos!

Sei lá, o filme mexeu comigo...alguns diriam que é bobagem, afinal não passam de mulheres que quiseram ser famosas de um dia para o outro e que isso acontece muito e coisa e tal... eu concordo, mas confesso que é preciso sensibilidade para ir ao fundo do ser humano, para compreender que a frustração e a saudade pode vir para todos.

É isso aí... para entender e absorver as entrelinhas é necessário muita sensibilidade e isso realmente não é para todos!

2 comentários:

  1. CHACRETES DE ONTEM = MULHERES FRUTAS DE HOJE = FATO !

    Nem gosto de ver esse tipo de filme que me dá uma depressãoooo

    Beijotas !

    ResponderExcluir
  2. com certeza , o sensivel está em nós, mas temos medo de expor, por medo de se magoar...

    ResponderExcluir

 
© 2011 | Template por Silvia