21/06/2011

Divorciada e agora?

Como uma mulher divorciada, mas não largada e não aceitando currículo, quero colocar uma percepção e até mesmo uma experiência aos nossos amigos que se consideram fora dos padrões.

Porque fora dos padrões?

Quando uma pessoa se separa, depois de muitos anos de relação, tudo é dos dois, inclusive os amigos, os amigos dos seus filhos, os lugares, as festas...aff que saco isso! Você fica meio sem eira nem beira, simplesmente porque a maioria dos seus amigos com quem você costumava viajar e sair também vão ser casais e se eles tiverem filhos, a grande maioria também vai estar na fase de que programa de fim de semana é festinha infantil e com isso, você fica com aquela cara de babaca sem saber por onde começar, mas veja bem... tudo na vida se reconstrói e uma tecla em que eu sempre bato é que com comiseração ninguém se dará bem em ambiente algum, então o négócio é colocar a vida em movimento, sofrer o que tiver que sofrer, sacudir a poeira, colocar a máscara de feliz de vez em quando, porque os constantemente tristes são um porre e quem sabe até dar uma olhada naquele ditado que diz que ninguém faz amigos bebendo leite e assim se perceberá que existe vida após o término do casamento, rs

Não estou dizendo que seus antigos amigos sumirão ou que você os abandonará, mas tenho que confessar que é preciso coragem para se assumir e para perceber que nem sempre é legal você sozinho e sem filhos viajar com casais e crianças, então mantenha a amizade, mas perceba que os interesses mudam um pouco de foco, não caia mesmo na besteira de perder o contato com os seus amigos casais, mantenha-os, afinal amigos são amigos sempre, mas crie também um ambiente propício para a sua diversão sem se sentir um renegado, rs

Uma dica são as aulas de dança, ah você não gosta de dançar, então se conecte pela internet com grupos que tenham interesses comuns aos seus, tenho certeza que você vai encontrar um monte de gente, querendo se reunir para ver uma exposição, para fazer uma festa junina e assim seu círculo de amigos para descontração vai aumentar...

Eu estou escrevendo isso aqui, porque passei por isso e porque me saí bem(modéstia a parte) e porque eu vejo algumas pessoas nessa situação, que se sentem sozinhas, sem companhia para os programas, perdidas e vejo que tudo muda quando você muda o foco... se você começa a se assumir como solteiro, o mundo ao seu redor vai mudar, agora se você ficar em casa sentado com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar e se lamentando porque a vida do sozinho é uma merda, você não vai saber como é bom conhecer pessoas novas, como é bom farrear, como é bom ser paquerado, como é bom se comportar como alguém sem compromisso algum, como é bom experimentar uma viagem sozinha e lá conhecer um monte de gente que também está sozinha...

Então amore, vamos lá! Levante o traseiro e saia do lugar!!

8 comentários:

  1. Excelente o post Lília!!!
    É bem assim que os recén-separados se sentes, é um mix de estranho no ninho com onde está Wally? Vc tem que se reinventar, se permitir e tirar a couraça de casad@. É um reaprendizado de vida!
    Bj pra vc! =)

    ResponderExcluir
  2. Ai, Lilia
    Sei lá, né... deve ser estranho... minha mãe se divorciou com 30 anos – hoje ela tem 50.... na época não tinha maturidade suficiente para entender o que isso significava emocionalmente para ela até porque eram outros tempos! Hoje, eu tenho 30 anos e sou casada há 7 anos. Não me vejo separada dele – de jeito nenhum..... eu acredito que um casamento possa ser para sempre... mas conforme o seu relato, tudo na vida é uma questão de adaptação. (Dani)
    Leia nossos novos posts: Achados Imperdíveis – Produtos bons e baratos e Curso de automaquiagem na Embelleze – nós fizemos!
    Bisous,
    Dani e Bia

    http://monamiemadit.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Lilia
    Mais uma vez, concordo plenamente com você. Separou, vá curtir a vida, nada de ficar dando uma de babá de casais de amigos. A vida continua, e viver é muito bom.
    Bjux

    ResponderExcluir
  4. Eu admiro principalmente, esse teu jeito de ver o lado bom de tudo com tanta facilidade! É importante uma pessoa que está por isso, mas nao levando tudo tão zen assim, ler um texto tão leve e prático como esse, lógico que no dia-a-dia, na hora H, não deve ser a coisa mais facil do mundo, mas a gente tem que dar um empurraozinho no destino né?! rs

    Obrigada por estar comigo!!
    Grande Abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi queridinha,
    que texto bacana, ânimo na veia!

    Eu sempre tive um pé aqui outro acolá com a minha vida de casada, ou seja, nao sei porque sempre me alertei para o fato de que uma relacao pode vira terminar (nada é eterno, afinal), entao procuro manter as coisas em seus devidos lugares, sem misturar muito. Apesar que aqui nesse fim de mundo, a prioridade é fazer amigos de qualquer maneira, já que se se ficar em casa com cara de quem nao é do país, vai se enjaular e ainda por cima ficar azeda de humor né.

    * obrigada em seguir dinovu lindona, o prazer é meu!!!!

    ResponderExcluir
  6. Esse estranhamento com relação aos amigos também acontece na situação contrária: quando você se casa e os amigos continuam todos solteiros, ou quando você tem um bebê e as amigas ainda não tem, ou já tem os filhos grandes. A gente se sente meio perdida, meio excluída. Por isso é bom manter a amizade em todos os círculos, com pessoas de todas as idades. Assim nunca nos sentiremos sós, seja qual for a situação em que vivermos.

    Abraços!

    PS: Vc tem notícias da Salete Cattae? Sumiu, desapareceu, ninguém sabe, ninguém viu... Pelo menos os blogs.

    ResponderExcluir
  7. ººº
    Separou ... agora é seguir em frente. Quando um caso acaba é porque está para vir um melhor, certo?

    Beijooo

    PS - Novo post lá no Incongruências

    ResponderExcluir

 
© 2011 | Template por Silvia